Boas Vindas

Se é, está, ou foi lixado, seja bem vindo a um blogue P´ralixados. Se não é, não está ou não foi lixado, seja bem vindo na mesma porque, pelo andar da carruagem, mais cedo do que tarde acabará também por se sentir lixado. Um abraço.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Jornalistas de Volta à Escola e JÁ!!

 
 
(Fonte: Site da PORDATA)
- clique para ampliar -
 
A grande “caixa” das “notícias” de hoje nos Jornais, nas Rádios e nas TV´s é invariavelmente esta:
 
“Desemprego deverá baixar de 17,7% para próximo dos 14%”
 
Em primeiro lugar é preciso esclarecer que os 17,7% eram uma previsão para o final de 2014. Em segundo lugar esta “informação” É FALSA. Analisemos a questão com os números fornecidos pela Base de Dados da PORDATA:
 
Assim, para os mais céticos e para os que apreciam os quadros e os gráficos, de lá retirei os números com que preparei o quadro acima, no qual se evidencia:
 
- A relativa estabilidade da População Ativa (ver definição em rodapé) entre 2008 e 2013 (menos 250.000 e destes, cerca de 101.000 terão emigrado);
 
- A queda acentuada da População Empregada entre 2008 e 2013 (687.000), resultante da destruição de emprego concertada entre Governo e Troika;
 
- O aumento drástico da População Ativa sem Ocupação (Desempregada) que duplicou entre 2008 e 2013 (de 418.000 passou para 855.000).
 
Ou seja, temos uma taxa de desemprego real de 16,18% (mais 115.400 cidadãos desempregados do que os jornais publicitam. Se levarmos a sério e em conta a anunciada baixa de 0,3% na taxa de desemprego já em 2014, neste momento o seu valor rondará os 15,88%, menos 15.000 que no final de 2013).
 
Daqui o título deste “post” “Jornalistas de Volta à Escola e JÁ!!” porque efetivamente só por desconhecimento das regras básicas da aritmética, ou por má fé se podem continuar a divulgar notícias sensacionalistas sobre a queda do desemprego sem que se faça uma análise sérias a todos os fatores que o influenciam.
Estamos no bom caminho, aliás perfeitamente visível nos gráficos.
 
População Ativa: - Conjunto de indivíduos com a idade mínima de 15 anos que, num período de referência, constituem a mão-de-obra disponível para a produção de bens e serviços que entram no circuito económico. Compreende empregados e desempregados e exclui os domésticos, os reformados, os jovens a estudar ou em idade escolar, os acamados permanentes e todos os não aptos para o trabalho.
 
População Empregada: - Conjunto de indivíduos que possuem um trabalho remunerado, independentemente das horas desse trabalho (tempo parcial ou total) e do vínculo laboral (quadro, contratado a prazo, recibo verde, ENI ou outro).

 

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

O Assalto Continua

 
(Imagem da Internet)
 
O descontrolo das contas publicas continua e agrava-se e o assalto ao contribuinte é a solução dos governantes.
 
Uma notícia publicada hoje no Económico AQUI o que diz é tão só que o Governo esbulhou ao povo, até julho, mais 735 milhões em impostos.
 
Uma outra notícia também do Económico de hoje AQUI informa que o deficit da Administração Pública se agravou 389 milhões até Julho. Somando os impostos cobrados e não orçamentados (735 milhões) com o deficit publico (389 milhões), dá para perceber que se não fosse o assalto ao contribuinte o descontrolo era de 1,124 mil milhões sem que ninguém explique como é isto possível. (O CM ainda vai "descobrir" que foi obra do Sócrates).
 
Continuamos no bom caminho porque a luz está já ali ao fundo do túnel, e afinal o Povo é sereno.... até um dia.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Portugal Em Falência


(Imagem da Internet)

Já que os Homens competentes e honestos deste país estão desaparecidos em combate e o bom senso foi de férias, ao menos tenhamos fé, para  que Deus nos livre de todo o mal que a elite instalada nos mais diversos Órgãos de Poder e do Estado nos continua a infligir no propagandeado paradisíaco Portugal do pós Troika.
 
Os Órgãos do Poder, com o Governo à cabeça, estão a falir Portugal aos poucos e poucos e a conduzir o país para um buraco negro do qual não sairemos nas próximas décadas.
- Nas Universidades, já não há alunos nem dinheiro e sobram professores para atirar para o desemprego. Soubemos hoje que estão em falência acelerada;
- Nas Prisões, sobram reclusos, que cada vez são mais (porque será?) e faltam guardas, meios e dinheiro. Soubemos hoje que a solução é fechar. Estão em falência;
- Nos Tribunais, sobram processos e falta pessoal e dinheiro para administrar a justiça. A solução foi fechar tribunais, deslocar e despedir pessoal. Estão em falência;
- Nas Escolas faltam alunos, faltam professores para os alunos que ainda por cá restam, e falta dinheiro para assegurar o dia a dia. Estão em falência;
- Nos Hospitais faltam meios, pessoal e dinheiro para pagar aos fornecedores. Fecharam-se alguns, despediu-se pessoal e presta-se um mau serviço, mas tudo piorou. Estão em falência;
- Na Banca, salvo algumas (poucas) honrosas exceções todos os Bancos já faliram e acabaram por ter que ser resgatados pelo Estado com o dinheiro dos nossos impostos. O caso recente do BES é o mais paradigmático porque teve uma preciosa ajuda dos “nossos amigos” Europeus  do BCE para o atirar para a falência (coisa que na Alemanha não se atreveram nem atrevem a fazer aos bancos que estão técnicamente falidos).
- As empresas privadas fecham às centenas a cada mês que passa. As que restam estão em falência por efeito de contágio;
- As empresas públicas, estão atoladas em dívidas e geridas por aprendizes. Estão falidas;
- As Autarquias, no seu conjunto, representam um buraco de milhares de milhões. Estão falidas;
- As Famílias, salvo as poucas que cada vez estão mais ricas, ou já faliram ou estamos a caminho de falir.
 
Tudo mingua e tudo falha, só os nossos impostos continuam a aumentar sem que alguém nos explique o porquê e o para quê deste esbulho contínuo. E a imprensa, tão lesta em tempos a denunciar Governos e governantes, assiste serena à passagem deste cortejo fúnebre.
 
O Sócrates não fez ao País e ao Povo um décimo das malfeitorias que o presente Governo de Passos/Portas nos tem feito, e foi crucificado na praça pública, pela Imprensa e pelos Sindicatos, sem direito a defesa.
Outros tempos, mas os mesmos jornalistas e os mesmos sindicalistas, também eles moralmente falidos.
 
 

domingo, 3 de agosto de 2014

Estamos no Bom Caminho.


(Imagem da Internet)

PPC dixit. 
A falência do último banco português que ainda havia para falir em Portugal demonstra o resultado do caminho que percorremos. Aguardemos os próximos episódios sem mais comentários, juste ça.