Boas Vindas

Se é, está, ou foi lixado, seja bem vindo a um blogue P´ralixados. Se não é, não está ou não foi lixado, seja bem vindo na mesma porque, pelo andar da carruagem, mais cedo do que tarde acabará também por se sentir lixado. Um abraço.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

A Lucrativa Indústria dos Incêndios

( Fotos particulares, obtidas no Domimgo 15/10/2017, na aldeia de Soito da Ruiva - Pomares - Arganil por Teresa Neves, e que pode consultar neste link )

Até hoje morreram 102 pessoas nos incêndios florestais deste ano. Há dezenas de feridos, centenas de casas destruídas, centenas de desalojados, muitas empresas eliminadas, muitos postos de trabalho perdidos, culturas devastadas, a sobrevivências de muitas famílias comprometida, anos e anos de trabalho transformados em cinzas. Uma riqueza coletiva imensa que se perdeu, património de todos que se delapidou e a esperança de muitos que morreu.
É uma devastação incompreensível e uma enorme calamidade e calamidade seria mesmo que não tivesse morrido ninguém, porque os danos colaterais a um qualquer incendio são sempre uma calamidade qualquer que seja a sua dimensão, proporção e grau de destruição.
Lamento, pelos que faleceram, pelas famílias e pelos que ficaram, grande parte deles entregues à sua sorte e sem condições para se recomporem.

Acontece que toda a gente (literalmente toda agente – políticos e politiqueiros, jornalistas e jornaleiros, comentadores e comentadeiros, profissionais especializados e especialistas da treta e da má língua, etc.-) com acesso à Comunicação Social, que se está absolutamente nas tintas para as consequências desta catástrofe, e que procura apenas o seu minuto de gloriosa visibilidade num momento em que a tragédia turva a clarividência das pessoas, toda essa gente, dizia eu, rasga as vestes, indignada com esta calamidade, acusando de miríades falhas o Governo, a Ministra, o Secretário de Estado, a Proteção Civil, a GNR e até os Bombeiros, ou seja, acusam e responsabilizam o Estado Português (e até talvez tenham alguma ponta de razão como veremos a seguir, porque o Estado, ou está vesgo ou anda a tentar caçar lebres com fisgas).

Ocorre que, sendo indiscutível que o Estado tem o indubitável dever de zelar pela segurança e bem estar dos seus cidadãos, estes também têm o dever de cuidar daquilo que é seu cumprindo as Leis da República vigentes que obrigam e regulam a limpeza das propriedades urbanas (repito, regulam a limpeza das propriedades urbanas), dever este que basta sairmos do conforto das grandes cidades para a realidade dura e crua do mundo rural, para constatarmos que poucos cidadãos as respeitam, mas deviam. Mas adiante que este não é o tema principal deste texto.

Voltando aos indignados das TVs, das Rádios e dos Jornais, após ver, ouvir e ler tantos cientistas, tantos ignorantes, tantos "especialistas", tantas certezas absolutas e tantas baboseiras, cumpre-me estimular as suas capacidades cognitivas com uma singela pergunta à qual convido a que respondam comigo:

QUEM FATURA COM O COMBATE AOS INCÊNDIOS?

Provavelmente, absortos na vã cruzada contra o Estado (mais contra o Governo, mas enfim, adiante) nunca pensaram em colocar esta pergunta nos palcos mediáticos onde atuam, nem nunca deram grande importância às respostas que à pergunta podem ser formuladas. Então, para ajudar, aqui vão algumas, que eu elenco:

1. - Em primeiro lugar faturam as empresas (obviamente privadas), que alugam – obviamente ao Estado, claro - os meios aéreos, cujo custo de uma única hora de voo de uma única aeronave dava para pagar a minha pensão de reforma de mais de um ano. Já vi tarifas que vão desde 35 a 50 mil Euros/hora (não está mal escrito nem leu mal são 50.000,00€ por hora de operação). Portanto só num incêndio são muitos milhões em faturação. Parece que houve para aí um “intruso” que quis atribuir esta missão à Força Aérea Portuguesa, mas foi “abafado”, claro.

2. – Faturam as empresas que fabricam (ou importam) e vendem - ao Estado, claro - os equipamentos e material de combate aos fogos. Tudo material caríssimo e de desgaste rápido. E, como é conhecido, estas empresas são detidas, na sua maioria, por Chefias ou Direções de Corporações de Bombeiros, ou com eles correlacionados.

3. – Faturam os stands especializados em aquisições e preparação de viaturas de combate a incêndios - significativamente subsidiadas pelo Estado, claro - que asseguram a substituição das que todos os anos se perdem ou deterioram em operação.

4. – Fatura o SIRESP (obviamente uma empresa privada) que fatura - ao Estado - uma significativa renda mensal para assegurar as comunicações entre as forças de segurança e entre os Bombeiros.

5. – Faturam as empresas de Telecomunicações (as comunicações do SIRESP são suportadas pela PT e não são de borla).

6. – Fatura (muito) a Comunicação Social em geral, mas as TVs em particular, que montam autênticos circos mediáticos altamente dramatizados com a repetição, dias seguidos, de imagens dramáticas e chocantes, porque a publicidade passada nos intervalos do circo é muito mais lucrativa, porque além de ser mais cara tem mais audiência.

7. – Faturam as empresas "especializadas" na reconstrução - subsidiada pelo Estado - de imóveis urbanos destruídos ou atingidos pelos incêndios.

8. – Faturam as empresas "especializadas" na reflorestação - paga pelo Estado - das florestas queimadas.

9. – Faturam as IPSS, que encaixam milhões em donativos (caso recente de Pedrogão) e depois não prestam contas a ninguém do dinheiro que receberam.

10. - E convém também não esquecer que os Bombeiros, quando em operação, também faturam.

Neste contexto e tendo em conta que, salvo raríssimas exceções bem identificadas, os incêndios têm por origem mão humana e que o homem não é pirómano por definição, considero-me no legitimo direito de suspeitar que anda por aí muito boa gente a atear incêndios para depois os ir apagar e poder emitir a respetiva fatura para o Estado pagar com o dinheiro dos nossos impostos.

Enquanto o Estado persistir em não entender a quem aproveita o "crime" e que o "crime", neste caso, até compensa, bem pode continuara procurar os "responsáveis" que é o mesmo que procurar agulha em palheiro.